SP faz acordo com Comgás para suspender corte de residências, pequenos comércios e hospitais

Na indústria, também será temporariamente suspenso o consumo mínimo obrigatório

O Governador João Doria anunciou nesta segunda-feira (23) um acordo com a Comgás para suspender, a partir de hoje até 31 de maio, as ações de interrupção de fornecimento de gás de consumidores residenciais e pequenos comércios. A medida é voltada para os imóveis que consomem até 500m³/mês, conforme a média de consumo do primeiro bimestre deste ano. A medida também será válida para hospitais e unidades de saúde.

Durante o mesmo período, as indústrias serão isentas do consumo mínimo obrigatório do volume contratado e não retirado. As medidas fazem parte das ações anunciadas pelo Governo de São Paulo para combater o impacto econômico da disseminação do coronavírus. 

“Até 31 de maio de 2020, nenhuma residência, nenhum centro de consumo de gás encanado, através da Comgás, poderá interromper o fornecimento de gás. Pedimos e fomos atendidos pelo Comgás, que compreendeu a importância deste momento, suspendendo multas para indústrias que não consumirem o mínimo previsto em contrato. Evidentemente, há uma demanda menor, mas não haverá multa para estas empresas”, disse Doria. 

A decisão foi tomada pela empresa após conversa com a Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente e com a Agência Reguladora, a Arsesp. As ações de interrupção de fornecimento de gás poderão ser feitas apenas em casos de emergência. Informações atualizadas serão comunicadas à população por meio dos canais oficiais do Governo do Estado.

Álcool etílico 70%

O setor privado também se mobiliza com o Governo do Estado para auxiliar no combate ao novo coronavírus. O grupo Cosan obteve autorização da Anvisa para produzir álcool etílico 70% para limpeza e assepsia. Inicialmente, serão distribuídos quatro mil litros aos hospitais da rede pública na Grande São Paulo

 

Foto: Ig