Polícia confirma 3ª morte por suspeita de intoxicação com cerveja em MG

A Polícia Civil de Minas Gerais confirmou a morte da terceira pessoa suspeita de ter sido contaminada pela substäncia dietilenoglicol após consumir a cerveja Belorizontina, da fábrica mineira Backer.  

A vítima morreu na madrugada desta quinta-feira (16). O corpo foi levado para o IML da capital mineira para necropsia. 

Outras duas mortes já foram confirmadas pela polícia. Um quarta óbito, de uma mulher no município de Pompeu, também está em análise. 

Ministério da Agricultura confirmou que a cervejaria usou água contaminada na produção. A análise detectou que a contaminação foi dentro do local, mas ainda não se sabe como. A pasta considera como hipóteses o uso indevido ou vazamento de substâncias de refrigeração, além da sabotagem. 

Investigação

 

O ministério anunciou ter achado seis lotes contaminados da cerveja Belorizontina e uma da Capixaba. Outros são avaliados. A investigação federal trata a contaminação como “sistêmica”. “Os controles de produção demonstram que os lotes já detectados como contaminados passaram por distintos tanques, afastando a possibilidade de ser um evento relacionado a um lote ou tanque específico”, aponta o ministério.

A investigação indica ainda que a Backer comprou 15 toneladas do monoetilenoglicol, usado na refrigeração da produção, quantidade acima do normal. Houve pico de consumo da substância no fim do ano. “Esse insumo não é consumido em ritmo elevado. Poderia ser pela ampliação do parque fabril, ou por falha no processo, quando está se gastando acima do esperado”, disse Carlos Vitos Muller, coordenador de vinhos e bebidas da pasta. A substância circula por fora do tanque, em serpentinas de refrigeração, e não pode ter contato com a água.

Foram achados rastros de monoetilenoglicol e dietilenoglicol nos corpos de vítimas e na água da produção. Para técnicos da pasta, a segunda substância pode ter sido formada em processo químico a partir do monoetilenoglicol. Os produtos não podem se misturar com a bebida nem serem ingeridos. O ministério já recolheu 139 mil litros de cerveja e 8,48 mil litros de chope da Backer.